Nem um palmo entre a vida e a morte

Em um processo de carregamento em uma planta da thyssenkrupp Plastics um motorista de caminhão é ferido no pé por uma empilhadeira. Não faltava muito para um acidente mortal. Como este acidente foi possível apesar de todas as medidas de segurança?

Um novo episódio da nossa série sobre a segurança no trabalho.

Setembro de 2019 na thyssenkrupp Plastics, planta de Weingarten: Como sempre, a zona de saída de mercadorias anda muito movimentada. Todos os dias três caminhões de um prestador de serviços partem do estabelecimento da Suábia para transportar as mercadorias encomendadas aos clientes. Uma empilhadeira tira os produtos de duas grandes estantes cantilever opostas e os transporta aos veículos que estão à espera. Os motoristas de caminhão e os colegas da Plastics nesta área se conhecem há muitos anos. Rotina diária. Mas neste dia ela é bruscamente interrompida. Um colega eleva a mercadoria na estante com a sua empilhadeira, olha sobre o ombro e no espelho panorâmico, como de costume, e começa a deslocar-se em marcha ré. De repente, ele percebe um tremor. O colega experiente para imediatamente o seu dispositivo e assusta-se: Ele atropelou o pé do motorista do caminhão do prestador de serviços, ferindo-o. Com o metatarso quase partido, o rapaz é internado no hospital. Felizmente, ele recebe alta depois de poucos dias. Os sapatos de segurança que ele usava o protegeram contra feridas mais graves – e o fato do operador de empilhadeira ter parado imediatamente após a colisão. Se a empilhadeira tivesse continuado a deslocar-se apenas mais 15 cm – isso é, nem sequer um palmo – o colega teria sido esmagado entre a empilhadeira e a estante, sofrendo feridas muito mais graves ou até letais.

Ignorou os sinais de advertência

Como este acidente foi possível apesar de todas as medidas de segurança vigentes para a operação de uma empilhadeira no estabelecimento em Weingarten? Os colaboradores conhecem os riscos permanentes que uma empilhadeira apresenta. Na tk Plastics, ela é a máquina mais perigosas. As avaliações de perigos são elaboradas conjuntamente pelo executivo e os colaboradores.

Assim, tudo foi como devia ser: A empilhadeira estava em estado técnico perfeito, as estantes na zona de saída de mercadorias tem uma distância de sete metros entre si, toda a área está marcada como zona de carregamento e proporciona espaço suficiente. O operador da empilhadeira tem muitos anos de experiência. Pouco antes, ele recebeu as suas instruções de segurança anuais. Nas “Daily Talks“ (conversas diárias) sempre discutem sobre perigos, também devidos às empilhadeiras. A planta também participou ativamente em uma iniciativa mundial do segmento Materials Services para a identificação de riscos especiais devidos às empilhadeiras.

A reconstrução do acidente mostra que, apesar de tudo, sempre há um risco residual: Enquanto a empilhadeira tirava as mercadorias da estante, o motorista do caminhão andava despercebidamente ao longo da estante oposta na área traseira da empilhadeira para ver quais mercadorias ainda tinham de ser carregadas. Diretamente atrás da empilhadeira ele agachou-se para ler os dados do cliente em algumas etiquetas de produtos na prateleira mais baixa. Estas informações ajudam a avaliar o decurso da sua rota diária. Ele ouviu os sinais de advertência da empilhadeira em marcha ré, mas pensou que os bipes conhecidos significavam que o carregamento estava sendo continuado como planejado.

O operador de empilhadeira não tinha qualquer chance. A reconstrução do acidente mostrou que, apesar de ter olhado sobre o ombro e no espelho panorâmico, ele não podia ver a vítima que se encontrava completamente no ângulo morto.

Até agora, ninguém esperava um cenário destes. Geralmente, os pedestres devem manter-se afastados das áreas de circulação das empilhadeiras. Quando isso não pode ser evitado, sempre deve ser estabelecido um contato visual com o operador de empilhadeira antes de aceder a estas áreas. No caso concreto, o motorista do caminhão não podia acessar a área durante o carregamento de maneira nenhuma. Manter-se no espaço diretamente atrás da empilhadeira e até agachar-se lá aumentou muito o risco de acidente. “Sempre é grave, quando uma pessoa é ferida. Isso nos afeta pessoalmente. Mas não se trata de encontrar um culpado, mas de identificar as causas e analisar quais medidas podem ser tomadas“, diz Ralf Helex, encarregado da segurança para a tk Plastics.

Especialistas explicam que sempre de novo ocorrem acidentes devido ao comportamento incorreto das pessoas, apesar de saberem melhor. Estas são as armadilhas de conduta. Embora as pessoas tenham sido instruídas em questões de segurança e conheçam os perigos no lugar de trabalho elas caem nestas armadilhas. As consequências podem ser graves. Frequentemente, dizem após o acidente “Só queria fazer isso rapidinho …“, “Geralmente nada acontece …“ ou “Já estava pensando no próximo fornecimento …“. Salientam a pressão do tempo ou que queriam terminar um trabalho bem antes do fim do turno. Estas armadilhas também desempenharam um papel no acidente em Weingarten.

“Naturalmente todos nós nos assustamos quando fomos informados sobre acidente“, diz Tobias Decker, chefe da sucursal. “No primeiro momento nos perguntamos: Fizemos todo o necessário para a segurança?“ Embora o motorista do caminhão não tenha sido ferido gravemente, o acidente chocou muito o operador de empilhadeira. “O colaborador ficou atormentado por ter ferido uma pessoa“, relata Decker. Durou algum tempo até que o colega não se sentiu mais culpado.

Medidas após o acidente

Além da análise de acidente pelos especialistas, a gerência em Weingarten envolveu todo o pessoal para fazer a zona de saída de mercadorias mais segura ainda. Em uma livre troca de ideias foram definidas as seguintes medidas:

  • A empilhadeira foi equipada com uma câmara traseira e um monitor. Assim, o motorista pode ver a área traseira completa.

  • Agora área da zona de saída de mercadorias está envolvida por uma faixa larga vermelha com o mandamento “Stop“. Os pedestres são intimados a não aceder a esta área marcada.

  • Além disso, uma linha de estantes cantilever é deslocada, ampliando significativamente a área de saída de materiais exígua. Isso proporciona uma maior visibilidade e uma maior distância de manobra e segurança.

A seguir, foram inspecionadas todas as empilhadeiras frontais em todas as plantas da tk Plastics. Todos os tipos de empilhadeiras com ângulo morto também foram equipados com uma câmara traseira. Os encarregados da segurança do segmento Materials Services também discutiram o acidente e revisaram o catálogo de requisitos para empilhadeiras.

Você tem perguntas sobre o acidente ou geralmente sobre a segurança no trabalho? Ou você quer relatar as suas próprias experiências? Escreva para wecare@thyssenkrupp.com