Quando uma casa é tudo - Scott corre pelos órfãos

Seu avô, um herói de verdade, é uma referência para Scott Longmire. Aos oito anos de idade, Vovô Tom perdeu os pais e de repente virou um sem-teto. Ele foi salvo pelo orfanato Mercy Home em Chicago. Como teria sido a vida do Vovô Tom sem o acolhimento? Ele teria trazido ao mundo a mãe de Scott? Para Scott, está claro que ele também deve sua vida ao Mercy Home. E ele agora corre na Maratona de Chicago para arrecadar dinheiro para o orfanato.

Quem pode dizer o que teria acontecido com meu avô sem o Mercy Home? É por isso que devo minha vida a esse orfanato

Scott Longmire já cruzou a linha de chegada de uma maratona duas vezes. As corridas significam mais para ele do que apenas esporte. Desta vez, ele vai percorrer os 42,2 quilômetros pelas crianças do orfanato Mercy Home. “Ainda não sabemos exatamente a causa, mas quando meu avô Tom tinha oito anos, seus pais faleceram de repente e ele se viu sozinho. E então foi acolhido no Mercy Home – e teve novamente um lar”. Scott agora quer arrecadar dinheiro para esse lar.

O avô de Scott (o segundo a partir da direita) em Chicago após a Segunda Guerra Mundial

O avô de Scott (o segundo a partir da direita) em Chicago após a Segunda Guerra Mundial

Lembranças de família: Tom, o avô de Scott, com seus dois filhos

Lembranças de família: Tom, o avô de Scott, com seus dois filhos

Seu filho adotivo Demetrius já contribuiu com sua parte - 25 dólares do dinheiro que ganhou em seu aniversário foram para as crianças do Mercy Home. Enquanto isso, foram arrecadados mais de 2.500 euros em doações em um site de captação de recursos. “Minha meta é chegar a 5.000 euros para os filhos do Mercy Home. Crianças que, como meu avô, receberam um novo lar”. Apoiar aquele lar - o projeto que está no coração do Scott.

Scott começou a trabalhar na thyssenkrupp 25 anos atrás

Seu trabalho conosco também está em seu coração. Há 25 anos, em março de 1994, Scott tinha saiu do colegial com 19 anos e começou a trabalhar para a thyssenkrupp na América do Norte. Na área operacional, ele produzia chapas de alumínio e lingotes de aço em Chicago.

Hoje, Scott atua na thyssenkrupp não somente em TI, mas também constantemente desenvolve sua expertise em produção.

Hoje, Scott atua na thyssenkrupp não somente em TI, mas também constantemente desenvolve sua expertise em produção.

Scott tem frequentemente compartilhado seu conhecimento com jovens talentos, como vemos aqui com estudantes do ensino médio no Dia da Carreira da thyssenkrupp

Scott tem frequentemente compartilhado seu conhecimento com jovens talentos, como vemos aqui com estudantes do ensino médio no Dia da Carreira da thyssenkrupp

Um trabalho difícil que deveria ser o começo de uma carreira de sucesso para Scott. Como ele sempre se interessou por sistemas de informática, ele se transferiu para a TI por sua própria iniciativa: “Durante esse período, eu também estava na Alemanha, na sede. O melhor momento foi quando um colega me convidou para conhecer a sua vila. Depois, comemoramos o Schützenfest com toda a família dele. Nunca esquecerei aquilo”.

42,2 quilômetros por uma boa causa

Alguns de seus colegas também estarão presentes na maratona para torcer por Scott no circuito. Scott poderá então aproveitar a sua experiência: ele correu a primeira maratona por seu filho adotivo. “Me tornei pai aos 35 anos, muito velho para ser um pai. Àquela altura, todos os meus conhecidos já eram pais. Então treinei para a maratona para ser um pai em forma para o meu filho”.

Scott e seu filho adotivo Demetrius sorriem em frente ao orfanato “Mercy Home” - exatamente onde o avô de Scott um dia encontrou um novo lar.

Scott e seu filho adotivo Demetrius sorriem em frente ao orfanato “Mercy Home” - exatamente onde o avô de Scott um dia encontrou um novo lar.

A segunda vez que Scott cruzou a linha de chegada de uma maratona foi há oito anos. “Foi por mim mesmo”, conta. A terceira participação está marcada para 13 de outubro - desta vez pelo Vovô Tom e pelo orfanato em Chicago.

Scott dará tudo de si na Maratona de Chicago para alcançar seu objetivo

Infelizmente, o avô e a mãe de Scott não estarão presentes na maratona, porque não estão mais entre nós. Mas estarão representados: as tias e tios de Scott querem torcer por ele na linha de chegada, juntamente com Demetrius, seu filho. Eles também são gratos ao Mercy Home por ele ter salvado o Vovô Tom.

Scott trabalhou muito por esse momento especial - ele treina pesado para a sua próxima grande maratona

Scott trabalhou muito por esse momento especial - ele treina pesado para a sua próxima grande maratona

Por seu avô, seu herói, e pelo lar, Scott dará tudo de si para alcançar seu objetivo: “Seria ótimo se eu pudesse chegar em 3 horas e 30 minutos, então é claro que 3 horas e 45 minutos ainda seriam um bom tempo. Mas completar a maratona por si mesmo já é uma conquista”.

Se você quer contribuir para o Mercy Home e apoiar o esforço da maratona de Scott, siga este link. Você também pode saber mais a respeito do Vovô Tom, bem como do maravilhoso trabalho que The Mercy Home vem fazendo nos últimos 130 anos: https://marathon.mercyhome.org/chicago2019/scotty-longmire