Choque para a vida

Na embaixada do Kuwait em Amman colaboradores da thyssenkrupp Elevator instalam vários elevadores. Quando dois montadores trabalham no ponto de destaque da construção, um elevador panorâmico redondo, um azulejo de mármore cai de grande altura para o chão, diretamente ao lado deles. Tiveram grande sorte de ninguém dos dois ser ferido. Parte 2 da nossa série sobre a segurança no lugar de trabalho.

A inauguração da nova embaixada do Kuwait em Amman pelo primeiro-ministro do páis, o Xeque Jaber Mubarak Al-Hamad Al-Sabah – com muito pompa e vários políticos de alto nível da sua pátria e da Jordânia - foi uma festa alegre e sofisticada. Mas a festa no início de fevereiro quase foi ensombrada por um acidente que ocorreu um meio ano atrás. Só muita sorte evitou que dois colaboradores da thyssenkrupp Elevator fossem feridos gravemente. No novo edifício da embaixada a sucursal da Elevator na Jordânia instalou quatro elevadores, entre eles, um elevador panorâmico redondo.

Placa de mármore falha os colaboradores por pouco

No dia 21 de junho do ano passado os trabalhos nos elevadores ainda estão em curso. Os montadores Samer Khouz e Zayad Daoud estão montando as linhas de controle do elevador panorâmico. Samer trabalha desde 13 anos na thyssenkrupp Elevator, Zeyad desde nove anos. Mas então tomam um susto que até agora nunca tiverem no seu trabalho. Uma placa de mármore com um tamanho de aproximadamente DinA-4 e de dois centímetros de espessura cai de um andaime que fica cerca de dez metros acima do seu lugar de trabalho. Ela bate na construção em aço do elevador e, em seguida, despedaça-se na escada que envolve o poço do elevador. O mármore é aplicado em um andar mais elevado por outra empresa. As placas não estão suficientemente protegidas contra queda.

Mas, só por acaso a placa que pesa vários quilos não cai em um dos dois montadores. Um deles se encontra na cabine do elevador, o outro no poço em frente dele. O andaime construído em volta do elevador não teria protegido suficientemente os colaboradores. Depois do primeiro choque Samer e Zayaf comunicam imediatamente o que aconteceu. O chefe de obras para imediatamente os trabalhos de aplicação do mármore para examinar as circunstâncias do acidente. Mas o colaborador que está colocando o mármore por ordem de outra empresa não sabe explicar o que aconteceu. Ele pode continuar o seu trabalho depois de quatro horas.

Perigo causado por outras atividades

Os trabalhos de mármore são executados paralelamente à montagem do elevador. Não houve uma comunicação com a empresa executante ou os seus colaboradores. A direção da planta admite que isso foi um erro. Mas este erro não deve se repetir. Pois no presente caso trabalhos são executados paralelamente em muitas obras, por várias profissões e por várias empresas. Mas quase não há disposições de segurança uniformes. Embora a thyssenkrupp tome medidas rigorosas e invista muito dinheiro na segurança dos colaboradores, o perigo pode vir de fora do alcance da sua responsabilidade. Pois nem todas as empresas seguem o mote ”Safety First“. “Às vezes até riem de nós por causa dos nossos esforços“, diz Khaled Assaf, o técnico de segurança da thyssenkrupp em Amman. No futuro, os chefes das sucursais da Jordânia vão tentar comunicar melhor com outras empresas sobre as questões de segurança nas obras e cooperar, se for necessário.

Mas isso não é suficiente para eliminar todos os riscos para a vida dos colaboradores. Para proteger melhor os seus colaboradores, neste caso a thyssenkrupp instalou uma grade de proteção em volta do elevador que está sendo instalado. Agora, esta medida é realizada em todos os projetos similares. Ao mesmo tempo, os colaboradores são instruídos para poderem avaliar melhor as situações inseguras. São instruídos a parar de trabalhar e deixar o lugar de trabalho, se a situação ficar delicada. O técnico de segurança deve prestar apoio, ajudando na avaliação de uma situação perigosa na obra.

Em uma obra em Amã, ...

Uma placa de mármore ...

Teria sido possível ...

O que podemos aprender do acidente?

Seria perigoso minimalizar o acontecimento na construção da nova embaixada do Kuwait, só por que ninguém foi ferido. Desta vez, tudo deu bem – esta atitude pode ter consequências desastrosas para a próxima vez.

Mesmo se pareça pouco provável: material ou ferramentas que caiem frequentemente levam a acidentes graves ou letais nas obras. Já fizemos experiências dolorosas na thyssenkrupp.

Por isso, antes de iniciar o trabalho, as pessoas que exercem atividades diferentes devem coordenar os seus trabalhos e definir medidas de proteção. Eventualmente é necessário nomear um coordenar que cuida de um decurso seguro dos trabalhos. Além disso, é conveniente tomar em consideração a situação global da obra. Podem surgir perigos inesperados.

É aqui que o “conceito we check “ da thyssenkrupp entra no jogo. We check é uma breve avaliação antes do início de uma atividade. Com sete perguntas simples cada colaborador pode avaliar se pode iniciar a sua atividade de forma segura para ele e terceiros.

Para perguntas sobre o caso descrito, é favor contatar-nos. Podem fazer perguntas detalhadas na wecare@thyssenkrupp.com. Tentaremos respondê-las junto com os colegas responsáveis. Pedimos um pouco de compreensão para o fato de não indicarmos diretamente o responsável. Nem sempre estes relatórios terminam sem pessoas feridas e as pessoas afetadas devem poder decidir se e como querem relatar sobre isso.